<$BlogRSDUrl$>

Vareta Funda

O blog dos orizicultores do Concelho de Manteigas


sexta-feira, janeiro 05, 2007

AI DO REINO DE PORTUGAL



“ (…)
Sempre os pobres execrarão os ricos e capitães, que sempre os explorarão, tosquiando-os e comendo a sua carne como a ovelhas dum rebanho, mas sic transit gloria mundi (…) A História é rica em exemplos de revolução e o pobre dormirá na cama do rei com a sua mulher e as suas filhas, comerá na sua mesa e caçará nos seus bosques. Os seus toiros lidará no terreiro do quilombo e aí os esquartejará; dos pergaminhos e costados desdenharão os saltimbancos e rirá o povo, os mulatos e os escravos. Carlota, João e Pedro puxarão a roda do engenho ao lado de burros e padres (…) depois estuprados por pretos que beberão aleivosos o sémen e o sangue das regras que correrá das partes das suas filhas e que as esquecerão muitos meses pois serão cevadas por eles”.

(Panfleto anónimo, Rio de Janeiro, 1820)

Mui Excelente Senhoria,
O Intendente do Reino em São Salvador da Bahia de Todos Os Santos

“Do Padre jacobino que se diz ser autor do infame panfleto que ora incendeia mesmo a corte no Rio de Janeiro, não se arrancou nada excepto os dentes e as unhas sob o ferro da Justiça Pública e as das ordenanças costumeiras do dominicano inquisidor. Por isso recomendo que seja mandado para Lisboa, o mais brevemente possível e às expensas da Coroa mas seja impedido de pregar em favor dos parlamentares, dos franceses, dos ingleses e dos liberais. Sobre tudo o mais que se queira pronunciar e honrar lealmente o Rei e deve ter liberdade em Lisboa, pois caso contrário os demais o farão certamente um mártir da colónia e não está El Rei nos tempos que correm, em boas graças para enfrentar os seus muitos opositores por mais tempo (…) & Etc.”

(Do Ofício de Polícia, pelo capitão-tenente Adérito Estêvão de Jesus, Salvador, 1821)


Atentai, Senhoras:

“A tripa-fôrra dos ingleses, a fome dos vossos filhos e os favores baratos das espanholas piolhosas que se acercam de vossos maridos em todas as esquinas, são os magros ganhos que deixam Junot e o alarve e os apaniguados do Príncipe Miguel aos lisboetas. E o Rei fugitivo no Brasil acobarda-se e lá enche a pança! Dos vossos conos porcos devíeis lavar o sediço sémen de ingleses aí depositado enquanto vossos filhos e maridos apodreciam nas linhas de Torres! Deste púlpito esguicho o esporro, qual clara do ovo, para os vossos olhos, ó putas rafadas, amantes de cães rafeiros e cafres dos Poiais de S. Bento! Vossos jantares empurrava tripa cagueira acima até às vossas goelas de porcas rameiras, esposas indignas de pederastas absolutistas, vis porcos sodomitas!...”

(do sermão proferido por Duarte Elísio, filho do poeta Filinto, padre no Brasil entre 1815 e 1821, diácono da Sé de Lisboa em 1823, o ano em que foi encarcerado em Tróia e sodomizado diariamente dentro de uma barrica de sardinhas, por um bando de trinta ciganos sebosos).

Arrotos do Porco:

Não há encómios que lhe possam bastar. Não há talento que se lhe compare. O Saramago coberto d'oiro não vale um mindinho do nosso Assento!, o grande criador da corrente humanista-fisiologista, da fusão entre Teillard de Chardin e Mestre Vilhena, entre Adriano Moreira e o Borda d'Água, entre Agustina Bessa-Luís e Carolina Salgado.
O Assento nunca é escatológico; é escatolírico!
Salve!



ai,nao é escatolóligo????


Este comentário foi removido por um administrador do blogue.


Pois eu cá acho que nada se aprende com estes textos asininos.
Os de ciência que eu aqui posto são bem mais interessantes do que estas merdas da História.
Saibam que eu, apesar de conservador em relação à política, sou muito liberal quando se trata de sexo e ciência.
Sou uma criatura muito paradoxal.
Por exemplo, também, apesar de devoto e muito crente, sou um evolucionista convicto.
Darwin estava completamente certo.
A prova está no meu corpo. É que me nasceu há anos um pequeno clítoris no esfíncter anal. Pelo uso nasceu e, sempre insatisfeito e fremente, com o uso se hiperdesenvolveu.
Sou um ser multifacetado, quer na escrita, quer no cu.
Mas não tenho pachorra para estes textos de merda.

La, la, la...não venhas tarde, dizes-me tu com emoção,
la, la, la
mas eu sou um grande alarve
só volto quando passa o tesão
la, la, la..
lá pràs 7 da manhã...
la, la, la...
Eu tenho dois amores
la, la, la
que em nada são iguais
la, la, la
mas não tenho a certeza
la, la, la
qual deles m'enraba mais
la, la, la

mas não tenho a certeeeeeeeza
la, la, la
qual deles m'enraba maaaaaaaais!
la, la, la

estar sempre de costas virado
la, la, la
triste sina, pecados meus
la, la, la
nunca vi os meus amores
la, la, la
se calhar são uns camafeus.
la, la, la


(Adoro esta canção!)





<< Voltar ao repasto.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?