<$BlogRSDUrl$>

Vareta Funda

O blog dos orizicultores do Concelho de Manteigas


quarta-feira, dezembro 13, 2006



OS INFORTÚNIOS DO OPTIMISMO

As suas faces róseas, firmes carnes e o loiro pelo de pêssego beijaria com languidez e desvelo. A virilha bem marcada na perna gorda, entrevendo o pêlo doirado da cuidada e limpa intimidade imaginava percorrer Cândido, da sua amada Cunegundes. Não fora encontrar, quis o destino, o seu antigo mestre Pangloss também já carcomido por pestilento mal siflítico e este lhe ter revelado que ela fora violada à saciedade por um regimento inteiro e depois esventrada, creria ainda agora no Amor Eterno. Por quem então derramar tanta semente, manchando o catre, em noites insomnes? E ele que em respeitoso pudor lhe poupara a virtude de menina e nem no seio lhe tocou, desfalecia agora ao receber esta funesta notícia de um pestilento vesgo que cuspia o próprios dentes sempre que falava e que fora afinal um digno e douto tutor caído em abjecta desgraça. Sarava Cândido ainda as suas extensas feridas mor de milhares de chibatadas infligidas pelos Búlgaros e que o deixaram sem pele nas costas, de músculos e nervos à vista, já este tremendo desgosto lhe assolava o coração, corroendo-o de noite em reviravoltas, com esta hedionda notícia que lhe dera Pangloss. Porque não tomou ele o regaço e a virtude da menina Cunegundes, atando-a nua a uma árvore de casca áspera e deixando-a esperar o momento em que ele forçaria firmemente as duas entradas do belo corpo, lhe rasgaria com firmeza o tenro hímen e lhe violaria o traseiro? Não antes sem lhe infligir o castigo de muitas chibatadas nas nádegas, fazendo-a gritar e chorar, mesmo antes do sangue aflorar à pele. Passaria depois uma corda, retesada entre as pernas dela e içá-la-ia dolorosamente, atando a ponta a uma pernada da árvore. A mulher amada, forçando as carnes débeis com o seu próprio peso, choraria durante horas. Imaginou as suas prolongadas súplicas de dor e desespero iguais às dele por amar uma morta e saber que ela tinha morrido infamemente depois de possuída muitas vezes pelos animalescos soldados. Até podia deixá-la morrer ali, abandonada à sua sorte esta Justine, aos lobos ou a algum pastor ou caçador que a seviciasse mais ainda e só talvez a soltasse. Desejou que ela acabasse num palheiro húmido nas traseiras duma estalagem, como uma rameira barata, doente, minada pela fome e a podridão venérea. Justo castigo para o culminar de curta vida de contenção virtuosa tem a menina Cunegundes no que ora imagina Cândido, para sua salvação da loucura e no verdadeiro sofrimento que realmente padeceu.

FIM

Arrotos do Porco:

Para o Adas


Os chOURIÇOS não são todos iguais:
Há chOURIÇOS de primeira e de segunda.
Se te virares de barriga pra baixo
quem vai decidir é a tua bunda.



AdaS, genial mas porcalhoto. Beijinhos. :)




<< Voltar ao repasto.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?