<$BlogRSDUrl$>

Vareta Funda

O blog dos orizicultores do Concelho de Manteigas


quinta-feira, fevereiro 03, 2005

Microfábulas – III


Havia, certa vez, um rapaz em idade de casar que passava pelos dias amarelecido e macambúzio, de olhos pregados à calçada da vila onde lhe calhara nascer. “Lá vai o Fuinha Punheteiro!”, diriam uns; “Lá vai o Herculano!”, diriam os mais educados. Dissessem o que quisessem, uns e outros, que Herculano parecia sempre alheado de quaisquer sons ou movimentos à sua volta. Tanto ou tão pouco que a senhora sua mãe empenhara umas arrecadas de oiro para levar o menino ao otorrino, ainda que transtornada pela certeza de que enjoaria na carreira entre Cantanhede e Coimbra. “Ele ouvir, ouve, minha senhora. Não sei é que raio de estopa terá ele dentro da cabeça que parece não processar nada do que ouve.” O diagnóstico valeu a Herculano uma severa reprimenda da mãe – “antes fosses duro de ouvido que mole do juízo, meu paspalho!” – e umas valentes cinturadas do pai que acreditava que qualquer motivo era suficientemente bom para “disciplinar o malandro” e não gostava de ver o nome da sua família arrastado debalde pelos consultórios de Coimbra.
E Herculano vivia assim, suportando tudo sem o sorriso dos inconscientes mas antes com o esgar dos resignados – ou dos obstipados, que também é parecido. Passava horas perdidas na retrosaria de seu pai, a olhar para um canário engaiolado e mal nutrido, ou agarrado aos livros – o rapaz “ajeitava-se às letras” apesar de ser de poucas falas e de gostar pouco de ouvir – e dava longos passeios pela vila, os conterrâneos já habituados a não terem resposta aos cumprimentos que lhe dirigiam.
Num desses passeios, em se abeirando de sua casa, encontrou Herculano uma jovem donzela muito bem ataviada, delicadamente apoiada sobre uma sombrinha rendada, pele clara e luzidia, cabelos finos da cor do trigo, sorriso aberto e dentes sãos. Ao ver Herculano, a jovem interpelou-o, numa voz cristalina:
- O cavalheiro, por obséquio, indicar-me-ia onde fica a farmácia?
Nisto, vzzzzzzzzzt!

Moral 1: acessórios potencialmente pirosos como uma sombrinha rendada podem ter o seu impacto visual.

Moral 2: a ejaculação precoce é um problema que, dizem as estatísticas, atinge milhares de portugueses.

Arrotos do Porco:

Obrigada pelos momentos de boa disposição que tens proporcionado.É fantástica a maneira como descreves s personagens das tuas microfábulas.




<< Voltar ao repasto.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?