<$BlogRSDUrl$>

Vareta Funda

O blog dos orizicultores do Concelho de Manteigas


terça-feira, dezembro 28, 2004


De orelhas em pé - XVIII

A insuspeita TSF não resiste a descalçar a rude mas digna bota-todo-o-terreno-jornalístico e a enfiar a formosa patinha num plebeu chinelo, antes de a mergulhar por inteiro na poça. Já tal me tinha chocado num qualquer telejornal (confesso que não me ocorre se era directa ou indirectamente subvencionado pelo erário público - ou seja, eu e você) emitido em cima da hora.

A classe jornalística pergunta sempre "e os portugueses?", como se do estado de saúde dos naturais deste minúsculo rectângulo dependesse alguma coisa neste mundo ou se a nossa opinião contasse mais que a dos outros, nomeadamente dos directamente envolvidos nos factos. Perante o horror que se abateu, sem piedade ou aviso, sobre os países que bordejam o Oceano Índico, uma televisão (pelo menos) e a TSF falavam do "drama" dos portugueses que estavam de férias na Tailândia e em outros resorts igual ou superiormente paradisíacos e se viram, de repente, impedidos de regressar aos seus países.

Haja pudor, senhores. À hora que escrevo estão contados mais de 25.000 cadáveres e as perspectivas mais conservadoras apontam para, pelo menos, 40.000 mortos. Famílias inteiras, comunidades inteiras dizimadas, países de reduzidíssimos recursos com uma factura colossal a pagar só em danos materiais, e o "drama" de um punhado de portugas é notícia?

Arrotos do Porco:

A maioria das pessoas costuma dizer frases como: "...mas não foi cá...", "...se fosse com um filho meu..." Como se a distância fosse directamente proporcional à dor.
Bem observado, como sempre, Menir Calém.



A morte de milhares de pessoas é sempre obscena. Somos todos iguais numa tragédia deste nível. Mas o teu texto é de uma pertinência gritante. Afligiu-me ontem ver um depoimento de um português que lamentava que o seu hotel paradisíaco tinha sido destruído...Eu pensava como tu... e os milhares de pessoas que morreram e perderam tudo e que nunca viram o hotel paradisíaco? Morrem ainda mais infelizes?


O confundir a árvore com a floresta retira tudo da perspectiva correcta.
É triste.



Como sempre, atento e certeiro.
Não é novidade que te aprecio a escrita, mas preferia que tivesses aparecido por outros motivos.
Por falar em desatres, agora vê lá se só apereces outra vez dia 20 de Fevereiro ;-)





<< Voltar ao repasto.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?