<$BlogRSDUrl$>

Vareta Funda

O blog dos orizicultores do Concelho de Manteigas


quarta-feira, setembro 01, 2004

LOST IN TRANSLATION - PARTE 1


Tokyo...
Duas pessoas, com vidas recorrentes, e com o mesmo problema provocado pela diferença horária, sofrem de insónia! Até aqui nada de mais...

"Lost in Translation" debate-se entre a discrepância de culturas diferentes, sociedades desiguais e tradições distintas, inserindo uma comédia romântica na acção! Estamos perante uma cidade que admiramos, mas que não compreendemos porque se trata de uma visão distorcida da modernidade ocidental!

No fundo, é um pouco como o mundo anda: perdido num qualquer JET-LAG temporal, à espera de voltar a ser re-encontrado! Antes que se perca de vez...


Arrotos do Porco:

Um filme que convido todos os convivas a verem..urgentemente!

Eu tive o brilhantismo de o alugar em DVD!



Vi no cinema.

Bem giro.

Marcou-te, foi?



Aposto que nunca mais foste o mesmo... seu malhuco!


Eu não tenho tempo para ir ao cinema, foda-se!


chOURAS, pá, respondi-te ainda lá do outro lado...

Que raio de ideia é esta de pores aqui teasers de postes, ó Mimito?



Menir, badalhoco, agora dá-te para não cumprimentar, é? Pan... do ca.....


Para além de gostar da gaja ( gosto de gajas daquele tipo :) ehhe ), quando vos contar a parte-2, irão perceber melhor!

Mas acho que, pensando mesmo no filme, ele quer dizer muita coisa!



E desde quando gostas de gajas?


Menir, pequeno troglodita, és um chato do caraças.

Desde o dia 16 de Julho até ao dia 13 de Agosto, não puseste os pés na lista.

Ora, as minhas férias decorreram na primeira quinzena de Agosto. No entretanto, a única explicação que tivémos foi através da Imaculada. Não tou a ver como é que eu postei durante as férias, à excepção de dia 10, em que fiz uma pequena pausa.

Não me digas que estava informado das vicissitudes que sofria o controlo e o acesso do Porco. As minha micro-postas foram uma solução de recurso, que até me deram bastante gozo. Os comentos, para mim, são fundamentais. Poderão discordar, mas é o que acho e o que dá vida ao Porco. Ora, as minha micro-posta ocorreram sensivelmente na última semana de Julho. Retira daí as conclusões que puderes.

Acho que me falhou qualquer coisa na resposta mas eu já vou rever o teu comento daqui a pouco. E puta das janelas que são grandes como o raio.



Perdido é o gado onde não há cão que ladre, e mal casada a mulher que não pare.


[i]Talvez se ouvires isto mesmo da letra da Viola, do Bock, etc., seja diferente, já que não me pareces muito disposto a acreditar no que eu ando pr'aqui a escrever.[/i]

foi o qu'ele disse :D



Menir: Teasers? Isso quer dizer o quê em miúdos? hmm?


graÇinha :]


o filme é lindo, e eu vou almoçar

abriu a tasca do fim da rua!
os transmontanos voltaram de férias!
ehhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh! :DD



e depois quero aprender a fazer itálicos :)



Boa tarde.

Sei que o tema sobre o qual vou escrever outra vez está a ficar esgotado, mas a tt escreveu um comento dirigido a mim quando estava sem tempo e sem paciência! Presumo que escrever-me sob estas condições revela, para lá do interesse do tema, uma consideração por mim que não posso deixar de agradecer! Ainda ontem à noite aqui estive, mas porque estava cansado e com falta de paciência, limitei-me a uma ou outra troca de palavras com a VD, principalmente. Há coisas que tenho dificuldade em fazer quando estou assim, sem tempo e sem paciência.

Imaginar que a frase "Estou sem tempo nem paciência... possa ter outra leitura, seria revelar pouco respeito por uma pessoa que me habituei a ver aqui a explanar as suas ideias com convicção.

E portanto, tt e para terminar (acho que é tempo de terminar, ao menos eu, sob pena de importunar os outros comentadores) queria dizer-te que Não e Não!

Não sou jurista, muito menos especialista em direito internacional. Porque, se fosse, não duvides tt, que seria hábil. E sê-lo-ia para poder ler os manuais todos e para encontrar, neles, o caminho que me permitisse demonstrar "urbi et orbi" que o barco devia vir para a Figueira, se eu fosse dessa opinião. E nos mesmos manuais, tratados e outros "calhamaços", saberia encontrar as baias que impediriam o barco de atracar.
Seja eu jurista ou não, especialista em direito internacional ou não, a questão manter-se-à: quem for a favor do aborto dirá que o barco deve atracar, quem não for, dirá o contrário. As pessoas simples como eu e leigas em direito, di-lo-ão sem se basearem em grandes informações, colectadas aqui ou ali. Os que têm os livros, aproveitarão a boleia e virão às televisões dizer de sua justiça. Das suas justiças, porque há aqui, de certeza, duas leituras da justiça.

Porque, se os juristas que ouviste, dizem que o assunto é dos tribunais, saberás melhor que eu o que vai acontecer, se o assunto lá chegar: juristas e especialistas haverá a dizer que o branco é preto e outros a dizer que o preto é branco!

Para terminar: a presunção com que faço afirmações, é a mesma que leva toda a gente a perorar sobre todos os temas, desde o big-bang, até àquilo que se pensa vir a ser o fim do mundo, ou o holocausto ou lá o que a gente lhe quiser chamar!
Foi com a mesma presunção que usei ontem, que disse agora, no início deste comento, o que presumia sobre o tal teu, feito sob condições adversas de tempo e paciência.

tt, resta-me dizer mais uma coisa! Muitas vezes não sei dizer bem, por palavras escritas, aquilo que penso e quero dizer. Por isso, não vejas, em tudo aquilo que escrevi, o mínimo sinal de falta de consideração pelas tuas posições e por ti. Acho que devia dizer isto, porque às vezes as pessoas escrevem uma coisa e as outras lêem outra. É o mal das palavras!

E creio que não voltarei mesmo a falar deste assunto. Mas ele serviu para debater, embora com falta de perspicácia minha, com uma pessoa do blogue, senhora das suas convicções e com sentido de humor.

Boa tarde tt e aqui fica a hipótese do tal bonequinho :)



Soupa da pedra com chouriço


Ingredientes:
· 2 kgs de pedra lascada
· 6 colheres de (sopa) ou um pouco mais de azeite
· 5 dentes de alho
· 3 cebolas
· 200grs de chouriço de carne
· vinho branco
· 2 limões
· piri-piri q.b.
· coentros ou salsa picada q.b.
Confecção:

Depois de bem lavadas deixe as pedras de molho durante 1 hora +- bem cobertas de água com um pouco de sal. Numa panela larga, leve ao lume o azeite e os alhos pisados.
Quando estes alourarem mas não queimarem, junte-lhes as cebolas descascadas e picadas. Refogue em lume muito brando.
Quando a cebola ficar translúcida junte-lhe o chouriço cortado em rodelas grossas. Tempere com sal e piri-piri e, vá adicionando pequenas porções de vinho branco, deixe refogar até o chouriço cozer.
Adicione as pedras lavadas e escorridas, junte água suficiente, tape a panela e cozinhe, agitando várias vezes a panela.
Já fora do lume, regue com um pouco de sumo de limão, polvilhe com coentros ou salsa picada e sirva de imediato com pedaços de limão.

















Almoço!



eu cá tb estou com o Chouras...





Não gosto do blogger.



Vou ali suicidar-me e já volto!

_____________________________________________

FPM, o puto está espectacular, obrigado.



chOURAS, chOURAS

sobrou-te foi um acento, miúdo :)



Choras ao almoçar, canta ao jantar.


E agora, aqui vão as boas tardes para todos.

Para o lindinho, caralho foda o gajo que só chateia.

Para o FPM, esse panão mor do norte, do sum e dos outros pontos cardeais todos.

Para o chOURIÇO, este com um abraço dado com difilcudade, devido ao seu diâmetro. (Seu, dele)

E para todos, enfim... A vara vai voltando ao seu normal e assima a gente até se sente melhor.

Comadre VD, desculpa lá a rabugice de ontem à noite.


Os meus bulires estão sem net, só volto à noite.

:)



Foi no tivémos, não foi?


Caro g2, miúdo,

Grande texto. Mas não concordo. Eu sou a favor do aborto com todas as condições, não sou a favor de violações de lei (pelo menos, de algumas...). O barco ficou muito bem onde está. É apenas provocador. Já chega de manifestações idiotas.

Onde é que eu falhei, laurita? Hum?



E a lei da presunção da inocência até prova em contrário?

Boa tarde a todos.

Também gostei muito do filme, Mimo.



Mas afinal, que merda vem a ser esta, caralho? A enerameira reformou-se?

Boas tardes aos sobreviventes... admito que ainda os haja.



Olá, nuíta.

A presunção de inocência só se aplica depois de se ter cometido um crime. Outra coisa é a prevenção da ocorrência desses crimes.

Porque é que um barquito que demonstra claramente a sua intenção de cometer um crime há-de vir chatear o nosso santo país? E se eu pegasse num barquito que defendesse que se deveria assassinar todos os nados que tivessem menos de seis anos de idade para controlar o crescimento da população e fosse à Holanda? Manifestando as minha intenções, claro. Achas que me deixavam aportar ou mantinham-me nas águas internacionais?

Ah, não me chamem Herodes porque isto é apenas uma hipótese.



Mas esta merda arrota ou nem por isso, caralho?


Ou faziam um cordão de segurança à minha volta e mantinham-me sob vigilância apertada... É isso que se pretende aqui? Se é isso, força. Não deixarão de ocorrer abortos em vãos de escada.

O aborto foi referendado. A maior parte das pessoas votou não. Curioso é que a maior parte das pessoas que conheço é a favor do aborto. Eu também, mas nunca como forma de profilaxia da gravidez.

Mas a questão do barquito é prévia a isso tudo. Há uma lei que não é cumprida no nosso país, na maior parte dos casos. Querem dar oportunidade aos estrangeiros de não a cumprirem também?

República das bananas?



Ah!, finalmente!

Por falar em falta de paciência, digam-me lá como se pragueja em itálico neste bordel...



Confas, pá, tás bom?

Itálico é do mesmo modo:

< i > e < / i >

sem os espaços.



Tanto quanto eu sei, a lei portuguesa aplica-se no território nacional. A intenção confessa do barco é praticar um acto que é punido por lei, mas em águas internacionais. A pergunta que se põe, e que precisa de ser respondida, é: pode o governo estender o seu conceito de "prevenção" a actos praticados fora da sua área de jurisdição?

Recordo que a ideia que está na base deste barco é: as mulheres que queiram abortar, embarcam. O barco ruma a águas internacionais e, aí, ministra às mulheres que o requeiram a pílula abortiva. A lei de qualquer país não se aplica porque, simplesmente, o acto não ocorre no espaço geográfico que se rege por essa lei.

Deixem-me colocar-vos uma situação semelhante: aqui ao lado, em Espanha, os médicos (alguns, pelo menos) não têm os pudores éticos que tornam inútil a nossa lei, e é por essa razão que funcionam aí clínicas que anunciam livremente na nossa imprensa. É legítimo ao nosso governo impedir a saída de mulheres grávidas para Espanha, sabendo que aí poderá ser praticado um acto que é punido pela nossa legislação?

Mais uma: recentemente, vieram a público supostos casos de tráfico de crianças para adopção por casais com problemas de infertilidade. Será lícito ao governo impedir a entrada de casais sem filhos no nosso país, por suspeita de que venham cá praticar um crime?

Até que ponto é lícito prevenir o incumprimento, e onde é que começa a pura arbitrariedade?



Outra, de dimensão moral incomparável mas de tipologia em tudo semelhante: todos os paquetes que fazem cruzeiros por esse mundo fora têm casinos. A prática do jogo é sujeita a licenciamento/concessão no nosso país (tal como o aborto, topam?). É público e notório que os passageiros destes barcos irão jogar, mas fa-lo-ão fora da jurisdição da lei portuguesa. É lícito ao governo proibir esses barcos de atracar, por suspeitas de que quem nele embarque vai participar de actividades ilícitas, pese embora fora das nossas águas?


No futebol!


ENchido!, tás bom, foda-se? Isto agora está um mimo... sem maior desprimor para o próprio, evidentemente. Presumo que as gajas (e outros entes mais delicados) também continuem a poder usar da vasta iconografia amarela e paneleira...

Estava a ver que o novo visual era também sinónimo de sectarismo exacerbado da parte dos tratadores da vara.

Quid novi?



Mas afinal estão a falar de que barco, o do Abramovich?! É que o gajo parece um aborto...

g2, gostei imenso quando a VD te chamou Rabu Gento...



Mais, grande posta, esta do Menir, esse panão-mor da outra margem...


Ora bem.

A lei portuguesa aplica-se em território nacional, tens toda a razão (ou quase). O barco está em águas internacionais, onde deve permanecer. Quem te garante que não pratiquem o aborto enquanto cruza as nossas águas? Formalismos, meu Caro.

Se as portuguesas pretenderem ir até águas internacionais, ninguém as impede. E aí praticam o que bem entenderem, incluindo sexo anal, que não é proibido. São donas dos corpos delas. Internacionalmente.

Posto isto, o barquito não deverá entrar em águas nacionais. Não me parece que deva haver mais discussão sobre esse ponto.

Casais sem filhos. Ah, ah. Boa piada. E dizem às autoridades que vêm adoptar crianças, à revelia da lei? Desconheço que o tenham feito. E são apoiados por organizações não governamentais? Nah. Exemplo abstruso.



Confas, pá, os bonequinhos apaneleirados desapareceram.

E não gosto do blogger.

Ainda perguntas quid novi? Achas pouco?



E os paquetes internacionai são regulados pelas leis marítimas internacionais e pelos acordos existentes nessa matéria. Não estou a ver nenhum problema nem violação de lei.


E agora vou almoçar, que o blogger faz-me perder o dobro do tempo.


Foda-se.



Eu infelizmente ainda não vi o filme, mas está numa grande listagem de filmes que estou para ver. Espero que ainda o consiga fazer este ano.

Quanto ao post da Nuíta, o qual ainda não tinha comentado, sou a favor que o barco deveria aportar no Porta da Figueira pelas várias razões que muitos já aqui afirmaram e por muitos outros. Cada um tem uma opinião e cada uma delas é respeitada, a minha é esta.

Boa tarde, minha boa gente.



BOas Tardes.
I'm Bock. Meio torto e a meio gás, mas Bock to business.
Ainda não vai ser desta que vou ter tempo para ler os posts, éstou cheio de coisas para fazer, mas hoje à noite deve dar para um serãozinho, de bushmills em riste, para ajudar a por as leituras em dia.
Boas tardes a todos e a todas.
E Saudações da planísse!



Paquetes internacionais? Que é isso?

A prática do jogo em águas internacionais é um estratagem velho como o mundo para contornar a lei - o mesmo estratagema deste barco. Para além disso, há aí uma incongruenciazita: se o barco é suspeito pelo que declara como intenção, porque raio deixa de ser credível essa declaração logo a seguir, quando presumes que ele vai praticar o ilícito nas nossas àguas? É destas arbitrariedades que falo, pazinho. O raciocínio parece ser:

- Barco declara intenção de praticar ilícito à luz da lei portuguesa em àguas internacionais --> barco está provavelmente a mentir e vai praticar em àguas nacionais --> proíba-se a entrada.

Não é muito diferente dest'outro:

- Barco não declara nada --> barco está provavelmente a mentir --> etc., etc.



Era só para dizer que ainda não vi o filme....
Quem me empresta para copiar?



E já agora, era só para dizer quye a Scarlet Johansson (?) é uma ganda malha. Fiquei deveras embasbacado quando vi o filme (um dos últimos que vi no cinema).
Sobre as WOW não me pronuncio porque não tenho tempo, mas se tem ondas no nome não pode ser coisa má! :D



O último aborto que saiu ali dos lados da Fig. da Foz está a mandar no país...

ehhhh Bock eehhhhhh



Não se imagina o Grande mar sem barcos e sem ondas e sem gaijas portanto. Festa no mar e no mundo real, faz parte da alma que temos, da nossa relação ancestral com o mar e com as gaijas e com o mar outra vez, do nosso jeito de fazer da vida uma festa e do risco um modo de a engrandecer.
Por esses oceanos além há barcos, barquetas e barquinhos e gaijas nas embarcações que partilham connosco o espaço em que nos movemos, o mar a que nos afeiçoamos, a vida que nos interliga. Gerações e gerações, vários séculos já contados, fomos formando este ser, no trabalho com o mar e com as gaijas, lógico que elas queiram ir abortar ao mar, quem nunca fez uma boa cagada no mar? No risco das tempestades, na alegria das bonanças, na exigência dos ventos, na emoção das ondas, no colorido dos fundos, no entusiasmo das regatas, quando o sol aquece as tardes e desafiamos o destino no oceano. É um estar que não se explica, sente-se e isso nos basta, nem tudo pode ser dito, a alma não se representa e vive dentro de nós.















Eu cá sou a favor do aborto feito com respeitabilidade e em dignas condições. Vão de escada ou aborto neste aborto de barco, é a mesma merda.

E gosto de minete!
Mas uma punheta de mamas agora é que era!



Olhó Boke, Então comé que é, vens a ferver ou já vens escaldado? Scarlet Johansson!? Que é? Tem algum barco?


AHAHAHAHAH, foda-se, finO, vai ser maluco lá pró caralho, AHAHAHAHAHAHAH!!


Olhó Boke, Então comé que é, vens a ferver ou já vens escaldado? Scarlet Johansson!? Quem é? Tem algum barco?


Águas, Amigo.

Balelas. O próprio nome WOW é ou não para causar admiração, espanto, provocação?

Não vejo qualquer incongruência.







Ehhhhhhhhhhhhhhhhhhhh! Cocas! Ehhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!



Ok. Eu vejo. O que não vejo é o que tem a ver o WOW do nome a ver para o assunto, mas está bem. Se preferes a abordagem autoritária do problema, estás no teu direito.

E continuas sem explicar o que é isso dos paquetes internacionais e os acordos que, presume-se, só a eles se aplicam.



Se ainda se chamasse BOB (Beer On Board), agora WOW (Whores On Waves), tss tss... ou (Waiting On Waves)...


BOB! (Boke On Board)


Já morreram mais 16 gajos em Israel quando 2 autocarros decidiram imitar o Concorde.

Já foi tomda de assalto uma escola numa província da Rússia e os 17 marmanjos têm 400 reféns com eles.

Já o Mimalho postou.

Já o Brocas regressou....

......e vocês ainda com a merda do barco lá no mar alto e o aborto e o caralho a sete!!!!



Mudem lá o disco, foda-se!!!



Abordagem autoritária? Tás completamente doido.

Paquetes internacionais não terá sido uma expressão muito feliz. Mas julguei que o teu discernimento ia para além da letra. Enfim... Paquetes que fazem viagens internacionais, transatlânticas, intercontinentais, escolhe tu.

O conceito de acordo, presumo que conheças. Ora, acordo internacional sobre os casinos flutuantes, parece-me que também compreendes. Se não existe, aplique-se a lei, por ser uma fuga aos impostos. Manifestem-se os cidadãos e chamem-se as televisões. Porque não?

O tratamento deveria ser o mesmo. Não aos casinos flutuantes nas águas nacionais! Já!


_________

A merda do blogger obriga-me a abrir uma data de janelas para acompanhar os comentos. Volta, eneputa! Chuífe...



Lindinho, pá, vê lá se percebes uma coisa: não diminuo em nada o drama israelo-árabe nem a questão tchechena. Mas isto passa-se , e é sintomático de coisas muito maiores e mais graves.

Eu votei a favor da despenalização do aborto nos termos em que foi referendado, e aceitei, com todo o fair-play democrático, o resultado. No entanto, esta aceitação parte do princípio que o resultado oposto seria igualmente aceite e, mais importante, honrado por quem sucedesse ao Governo da altura. Manifestações de autoritarismo fascizóide como a que está na base desta proibição são inquietantes, porque indiciam uma interpretação completamente arbitrária da lei por parte de quem pode. E a seguir à interpretação arbitrária vem o simples arquivamento da legalidade na gaveta e os tempos da outra senhora, tájaver?

É por isso que repiso e insisto neste assunto, até o ver esclarecido de forma satisfatória (que pode não ser aquela que agora me parece).



Enfim, há que saber ser paciente...



























colhão!



Poe mim, ia lá ao barco e cagava na proa, comia a loirita que costuma aparecer na têvê e "vinha-me" embora, não necessáriamente por esta ordem, claro, mas acho que o Menir tem razão. MAs também acho que o chOURAS tem razão.
No entanto, quem não tem razão nenhuma é o lindinho, que merecia levar com uma cagadela de gaivota nas trombas e que lhe enfiassem um pau de dinamite na bilha, mas ali prós lados das berlengas... Que acham?



Só voltei agora e já vi que o Menir Calém te tem respondido mellhor do que eu seria capaz. A minha posição é a mesma que a dele e o meu medo pelo desrespeito da Lei e da Liberdade pela prepotência de quem está no Governo é o mesmo medo dele. Talvez a ti não te diga muito, mas o tempo da outra senhora já lá vai e eu não gosto nem de o cheirar.


Love, exciting and new,
Come aboard.
We're expecting you.
Love, life's sweetest reward.
Let it flow,
it floats back to you.

The Love Boat
soon will be making another run.
The Love Boat promises something for everyone.
Set a course for adventure,
Your mind on a new romance.

Love won't hurt anymore
It's an open smile on a friendly shore.

It's Looooove!
Welcome aboard - It's Looooove!



Manifestem-se os cidadãos e chamem-se as televisões? E porque não o Governo a proibir a sua entrada em águas nacionais? Percebes a arbitrariedade?

Abordagem autoritária, sim. Não passa disso. O Paulinho decidiu arregaçar as mangas e mostrar músculo (visão tenebrosa!). Enquanto isso, desbaratam-se fundos do Ministério da Defesa, destacando um navio para controlar as perigosas pedo-terroristas, a custos que certamente dariam para fretar umas horitas de Canadair que mitigariam o problema dos fogos florestais. Autoritarismo, sim.

E que fazem os políticos do outro lado? Em vez de fazerem finca-pé na questão legal, cujo vazio é a razão de ser deste barco, transformam isto numa bandeira da condição feminina e dão razão ao palhacito. Puta que os pariu a todos, mais os jogos florais. A Maria Qualquer vai sentir a sua condição muito mais aliviada quando sair do esconço do carniceiro a quem vai ter, mais uma vez, que recorrer quando tiver mais uma gravidez indesejada.

De um lado temos os que estão danadinhos para mandar a lei às urtigas, do outro os que estão danadinhos para que isso aconteça, para se poderem queixar. Nós estamos no meio. Desta vez foi um barco, amanhã, quem sabe?...



Al Jarreau? AHAHAHAHAHAHAHAHAH


Fora das águas territoriais fpm, senão ainda ias arrangar problemas.




Voltaste a vestir a farpela velha, aquela do feliz e tal...



É impressionante a altura que um homem pode atingir apenas não descendo de nível...


Já tu, lindinho, andas sempre à tona...


Fedúncia, pá, não tenho ideia de ver as tuas credenciais. Julgas que isto é só chegar e começar a mandar bocas? Julgas que isto é o Vareta Funda?


Não sei onde tens vivido durante a tua existência. Falas em arbitrariedade como se tivesses tido conhecimento do conceito hoje. Já reparaste que a vida é arbitrária por natureza? Que não controlas os vectores? Que sempre existiu arbitrariedade?

E porque não um barco que venha promover a excisão feminina em alto mar, fora das águas nacionais? Achas que esse entra nas nossas águas? Já tinha sido aqui sugerido, mas volto a pegar nesse assunto da excisão feminina. Que eu tenha conhecimento, nem está proibida por lei, desde que a pessoa seja maior de idade e dê o seu consentimento, devendo estar no uso das suas faculdades, etc., etc..

A questão nem se prende com a posição que tens perante o aborto. Eu fiz 360 km (ida e volta) para votar pelo sim. E não concordo com a presença de um barco mediático que pretende incitar à prática de um crime (que o é), e que não passa da ingerência nos assuntos de um país soberano. Tudo isto a coberto da bandeira holandesa.



Cabeça-de-caralho não tem o que olhar, Caralinda já tem o que chupar.


Faço por isso FPM, faço por isso...

E a quem anda a tona, fodem-lhe a mona.



Pois, é ilegal... E depois, só de pensar numa romaria de mulheres à espera de aborto, até arrepia...


Boa tarde.



5ª iaula de condução, carago!!



O que anda à tona são os cagalhões, caralho!


AHAHAHAHAHAHAH


VD, quantos já mataste? Estás a tirar a carta em águas internacionais?



Fínúrias, deixas ir ou bates uma?








Meniralho, como já ontem referi, não acompanhei a notícia desde o início pelo que me abstenho de apresentar a minha opinião sobre o assunto uma vez que não tenho nenhuma.
Mas constato a tua intensa participação por estas bandas quer a propósito da mudança da Ene para o Blogger e mais ainda sobre esta temática do barquito.
Não te conhecia assim tão fervoroso em defesa da tua dama. Tanto mais que isto não é, como dizem, um chat...... :)



Hoje foi só rectas, nada de curvas!


lindinhooooooooo,
























CALA-TE, CARALHO!!



A(ssa)ssina, biltre!


Se eu matasse algum até fazia um favor à Humanidade, que isto mais que super povoado.



Vê lá se fazes sentido, pazinho. Misturas tretas pseudo-filosóficas ("a arbitrariedade da vida"!) com arbitrariedade na interpretação da lei??? Tem dó...

E, já agora, eu ainda vou tendo idade para me lembrar do que é viver nesse estado de coisas, pazinho. Não o senti directamente, mas vivi de muito perto com ela.

A excisão do clítoris é uma violência, mas não me parece que o problema seja o das mulheres que o fazem voluntariamente. É, sim, o daquelas que são a isso sujeitas sem o seu consentimento. Talvez seja conveniente informares-te melhor. A ser livre e voluntário, não é diferente de uma tatuagem, um piercing ou uma escarificação. Essas coisas são permitidas, não são?



VD, e já sabes pegar na manéte?


Menir, menir...
chOURAS, chOURAS...



























Calem imediatamente a puta da caixa!

Tanto se "filtra" razão de um como de outro, pelo que não se devem perder em pormenores que não têm nada a ver com o caso. Se por um lado é contra a lei, por outro, há milhares de mulheres a serem "esquartejadas" por "carniceiros" sem escrúpulos. E se não é cá é logo do outro lado da fronteira.
É óbvio que a lei está mal e que há algo a mudar!



Ffffêêêêêêêêêê,



























































UAI!



O caralinda não pula por boniteza, e sim por procissão.


Boi com boi é que faz junta.


Vais-me desculpar, Ouricito, mas essa comparação é infeliz. Muito infeliz, mesmo.


Eu pegar pego, mas troco aquela porcaria toda e só sai aldrabice.

Vou ver Os Maias...



Guerra bem guerreada traz boa paz.


RENHÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU!!!!!


Acho que vivemos tempos em que as pessoas são mais "informadas" e "com opinião própria" e não formada "pela velha senhora" nem pelo "Jornal do Avante". Sem extremismos políticos podemos dar as nossas opiniões, deixando de lado se as mesmas são de "esquerda" ou de "direita" ou do "centro". Penso que tal comportamento denota algum ressabianço social (?) sem sentido...
O Menir dá-me razão quando diz que aceita as decisões democráticas. Para o melhor ou para o pior...

Já o lindinho devia ir a um tribunal marcial e ser condenado a ser empalado no mastro do navio. WOW!



Promessas, FPM, promessas!!!

Mas agora gostei de te ler, ó sim senhor!



E já se mudava de assunto, foda-se...........!



(mudando de assunto) lindinho, já levaste no cuzinho, hoje?


Foda-se, Menir, mas tu sabes ler?

Que eu tenha conhecimento, nem está proibida por lei, desde que a pessoa seja maior de idade e dê o seu consentimento, devendo estar no uso das suas faculdades, etc., etc.. Falava da excisão do clítoris, se bem te lembras.

Não me venhas com arbitrariedades na interpretação da lei, se fizeres o obséquio. Tretas filosóficas, o caralho. Diz-me lá qual é a arbitrariedade, já agora. Se até em direito penal tens conceitos vagos que precisam de ser preenchidos...

Porra, que tu és chato, pazinho.



O jumento, o sino e o lindinho, sem pancada não fazem o seu ofício.


E um barco que viesse publicitar as virtudes do 3.º Reino? Já te confundia?


Deixava-se aportar e depois dava-se-lhes na cabeça. Não vejo qual a dúvida.

O Mimo voltou a postar.



Já sim senhor, já lavei o cuzinho.
Logo pela manhã.
Colhoeira e tudo só de uma mãozada.
Com água de malvas que eu trato-me bem.















































ganda maluco!



Boa tarde|

G2zito, miúdo, eu sei que nem sempre sou branda, sobretudo ontem que estava mesmo sem tempo nem paciência por razões estritamente pessoais. Vamos mas é mudar de cenário, que os bons filmes precisam de muito mais publicidade do que uma traineira de loiras.

---

Obrigado pela descompressão, Mimito.
Belíssimo filme.





<< Voltar ao repasto.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?